Sem qualquer manifestação de resistência dos detentos, eles estouram bombas de efeito moral e disparam balas de borracha na direção dos presos, alguns tiros à queima-roupa. Gás de pimenta é lançado direto nos olhos. Também puxam detentos à força pelo pescoço.

Os ataques a ônibus teriam sido motivados após agressões nas penitenciárias de Santa Catarina.

Santa Catarina registra 43 atentados em menos de uma semana

Quatro dias após ter inicio os atentados já são 43 as ocorrências em 14 municípios catarinenses. As quatro regiões de Santa Catarina já estão no mapa dos atentados iniciados na noite da última quarta-feira.

Chapecó, no Oeste do Estado, foi surpreendida por volta das 2 horas da madrugada deste domingo com ações criminosas contra a garagem da prefeitura. Bandidos atearam fogo contra o prédio que logo foi contido pela Policia Militar e Bombeiros. Sete minutos depois, um micro-ônibus foi incendiado no bairro Jardim América.

Vinte pessoas foram detidas e um suspeito de cometer os atentados foi morto após troca de tiros com a polícia. Jean de Oliveira, que conduzia uma moto foi morto após tentar atirar em um policial militar que estava de folga em Joinville, no Norte do Estado. Às 3h15 da madrugada deste domingo, o policial acionou uma viatura e houve perseguição e troca de tiros até Jean ser atingido na cabeça. O caroneiro da motocicleta Jaison Cordeiro, de 22 anos, foi preso com algumas lesões.

Além dos incêndios provocados em Chapecó e a morte de um suspeito, a PM registrou outros três incêndios em ônibus de transporte público e em duas carretas particulares. Registro também de disparos e o lançamento de um coquetel molotov contra a casa de um policial civil em Criciúma, contra duas delegacias e três subprefeituras. Em Maracajá, no Sul do Estado, duas carretas, sendo uma carregada de combustível, foram totalmente destruídas pelo fogo no pátio de um posto enquanto os motoristas jantavam. Em São Francisco do Sul, no Norte, um ônibus foi destruído parcialmente pelo fogo devido a ação de criminosos. Na mesma cidade, dois homens lançaram um coquetel molotov contra uma base da PM. O fogo foi controlado pelos policiais que estavam no local.

Também no Norte, em Joinville, dois homens em uma motocicleta efetuaram quatro disparos contra uma base da PM. Havia policiais no local, mas os tiros não atingiram o prédio. Na mesma região, em Araquari, limítrofe à Joinville, quatro homens colocaram fogo em uma das salas da subprefeitura. Mobília e computadores foram destruídos completamente. Florianópolis, que está entre as cidades com o maior número de atentados (6), perdendo apenas para Joinville (5), não teve registro de ocorrência do gênero até o início da tarde desde domingo.